História

A ideia da criação de uma entidade representativa dos concurseiros é da década de 90, época em que o professor Vicente Paulo se preparava para o concurso de Auditor-Fiscal da Receita Federal. 

Em razão das grandes dificuldades pelas quais passou, estudando praticamente isolado dos demais candidatos, mesmo residindo em Brasília – DF, ele entendeu que se fazia necessária a criação de uma associação, que minimizasse esses obstáculos e aproximasse os concurseiros das diferentes regiões do Brasil (vale lembrar que, à época, sequer havia internet no Brasil!). 

Essa ideia se tornou pública em 2004, durante uma solenidade em Florianópolis – SC, com a presença, dentre outros, do professor William Douglas, que, desde o início, entusiasmou-se com a ideia. 

Posteriormente, ainda naquele mesmo ano de 2004, um passo importante foi dado nesse sentido, com a criação da Associação Nacional de Apoio e Proteção aos Concursos (ANPAC). Inicialmente constituída exclusivamente de associados pessoas jurídicas, a ANPAC tem desenvolvido um importante papel em favor do instituto do concurso público, especialmente no tocante à valorização dos seus princípios constitucionais. 

Com a criação da ANPAC, os professores Marcelo Alexandrino, Vicente Paulo e William Douglas voltaram a discutir sobre a conveniência da criação de uma entidade que representasse, especificamente, os concurseiros (pessoas físicas), para que as duas entidades, de mãos dadas, pudessem, além de difundir o concurso público como meio legítimo e universal de acesso a cargos, empregos e funções públicos e maior garantia do aperfeiçoamento e da qualidade do serviço público em nosso país, prestar apoio direto aos milhares de concurseiros do Brasil. 

A premissa que sempre norteou esse ideal dos mencionados professores foi a de que uma entidade representativa de milhares de concurseiros teria, mais do que qualquer outra, grande legitimidade para representar o segmento perante os diferentes fóruns de interesse do instituto concurso público. 

Ademais, essa nova entidade deveria também prestar, diretamente, maior apoio aos concurseiros, especialmente quanto à necessidade de reduzir os custos de preparação e prevenir e combater as reiteradas e vergonhosas arbitrariedades e ilegalidades que, vez ou outra, ocorrem nesse setor de concursos públicos. 

Ao defender a necessidade da criação de uma nova entidade para o segmento de concursos, os professores Marcelo, Vicente e William sempre expuseram que a ideia não era de segregação, e sim de união de esforços, de trabalho conjunto, pois, afinal, no segmento de concursos públicos os interesses de todos os agentes envolvidos – concurseiros, cursos preparatórios, editoras e jornais especializados dentre outros - são convergentes. 

Foi, então, a partir dessa premissa – de que uma entidade que venha a representar diretamente os milhões de concurseiros brasileiros terá grande legitimidade para lutar por melhorias em todo o segmento – que, em 21 de agosto de 2009, foi criada, em Brasília – DF, a ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE DEFESA E APOIO AOS CONCURSEIROS – ANDACON. 

A ANDACON nasceu com duas metas principais: 

a) defender o instituto do concurso público como meio legítimo e universal de acesso a cargos, empregos e funções públicos e maior garantia do aperfeiçoamento e da qualidade do serviço público; e

b) dar suporte ao candidato em concursos, principalmente no tocante à redução dos seus custos de preparação e à prestação de assessoria jurídica competente para recursos administrativos ou judiciais contra as ilegalidades perpetradas durante todas as fases de realização de um concurso público. 

Para o atingimento dessas finalidades, é importante que os concurseiros de todo o Brasil se engajem nesse projeto, associando-se à ANDACON. 

Afinal, a ANDACON só terá legitimidade – e recursos financeiros – para representar o segmento perante os diferentes fóruns de nosso interesse, bem assim para prestar bons e competentes serviços aos concurseiros se ela crescer, se vier a ter milhares de associados. 

Uma associação como a ANDACON só terá legitimidade para prestar bons serviços se contar com um grande número de associados. Afinal, por maior que seja a sua capacidade econômica, uma associação jamais terá legitimidade para defender e apoiar os seus associados se esses não representarem um significativo percentual da classe.

O projeto é, pois, de duas vias interdependentes: a ANDACON só se consolidará se a sua direção se esforçar, ao máximo, para isso, especialmente prestando serviços competentes aos seus associados; por outro lado, a ANDACON só terá condições de prestar esses competentes serviços aos seus associados se contar com um grande número de associados! 

Não é por outro motivo que este foi o espírito eleito como impulsionador da ANDACON - Unir para Crescer! 

Faça parte desse projeto! Associe-se à ANDACON! 

ANDACON - Associação Nacional dos Concurseiros - 2017
andacon.concurseiros@gmail.com